sexta-feira, 20 de março de 2009

amor, imenso amor

theo e vovó/2007

"o neto é a hora do carinho ocioso e estocado, não exercido nos próprios filhos, e que não pode morrer conosco. Por isso os avós são tão desmesurados e distribuem tão incontrolável carinho." (Affonso Romano de Sant'Anna)



em dezembro de 2006 meu neto nasceu prematuro, após somente 6 meses e meio de gestação, numa madrugada chuvosa de segunda feira, no hospital santa catarina.
o obstetra, antes de entrar na sala de parto, avisou que ele seria muito pequeno, teria peso em torno de 800 gramas, e que provavelmente não choraria, seria apático.
contrariando as previsões, ele nasceu com 1.120 kg e 37 cm, chorou forte e fez xixi na enfermeira.

eu só pude vê-lo às 17 horas, na uti neonatal, através das paredes de acrílico daquilo que passamos a chamar de "ovinho".
foi uma das maiores emoções da minha vida, se não a maior. chorei muito. chorei de alegria por ele estar lá, inteirinho, com tudo perfeito; de medo, por não saber o que aconteceria com ele; de tristeza, por vê-lo cheio de tubinhos e esparadrapos; de susto, porque nunca tinha visto antes um bebê tão pequeno e frágil.

meu filho e minha nora podiam ficar com ele quase o dia todo e podiam tocá-lo. os avós - e somente nós - tinham visita permitida das 16 às 17 horas, mas ele dentro do ovinho e a gente fora, uma tortura! a vontade de pegar no colo o primeiro neto era tão grande!

todas as tardes, chovesse ou fizesse sol, durante quase dois meses, eu estava lá - exceto uns dias em que viajei - e conversava longamente com ele. contava como era o mundo lá fora, o que nós dois íamos fazer quando ele saísse, como as comidas eram muito mais saborosas que aquela coisa que ele recebia na veia, quem eram as pessoas que estavam esperando por ele em casa e, principalmente, falava do quanto eu o amava. batíamos longos papos e ele, um dia, chegou a sorrir prá mim - eu filmei com o celular, prá que ninguém dissesse que eu estava inventando.

aquele foi um tempo em que aprendemos a comemorar as mais ínfimas coisas: engordar 10 gramas num dia, conseguir se alimentar com 2 ml - isso mesmo, dois - de leite sem vomitar...

os amigos, a família, os amigos da família, os amigos dos amigos, todos sofriam e vibravam com a gente, todos queriam saber do theo. os que eram de reza, rezavam, os que não eram, só torciam. aquela minha amiga que morreu há alguns dias era muito devota de santa rita de cássia, e me deu uma imagem, que foi colada no "ovinho" dele, e lá ficou até quando ele saiu da uti.
havia, enfim, uma enorme corrente positiva por ele, gente torcendo de vários cantos do brasil e do planeta.
e ele foi ponta firme! não teve nenhuma intercorrência na uti. ficou lá só o tempo de ganhar peso - 50 dias - e veio prá casa.

quando ele saiu, e eu finalmente pude pegá-lo no colo, senti aquela coisinha tão leve (1.900 kg), tão pequena, e percebi que ali estava o homem que ia mudar a minha vida. e como mudou!

por ele eu larguei meu escritório, larguei meus clientes, deixei minha casa e vim embora de vez prá são paulo, e aqui estou até hoje.

por ele eu ainda choro de emoção, com ele eu rolo no chão, eu brinco de cabaninha, eu faço aviãozinho com os braços, com ele eu viajo de mentirinha, eu converso de verdade, prá ele eu leio estorinhas, eu faço voz de bichinhos, com ele eu não sinto dor, eu não fico triste, por ele eu enfrento trânsito, eu acordo cedo - e nem reclamo -, prá ele eu virei vó-babá, com ele aprendi até a gostar de iogurte natural, veja só!

ele é uma criança muito esperta e inteligente, com uma memória espantosa, que adora música e que decora rapidinho e canta todas as que ouve.

é simpático, tão simpático que cativa imediatamente quem o vê, mesmo que de passagem. a gente anda na rua e as pessoas vão sorrindo prá ele, como se ele tivesse alguma coisa especial, alguma coisa diferente...

ele é uma criança feliz. e eu sou uma avó feliz também, muito feliz por ser a vovozinha dele - é assim que ele me chama.

8 comentários:

angela disse...

quanta emoção Fátima! amei ler seu texto, que a felicidade continue transbordando. um beijo para voce e para o netinho.

fátima disse...

angela,

bj

Kyria disse...

Eu conheço o autor e na segunda feira te "falo", ouvi este texto na escola do meu filho mais novo.
Parabéns para o valente menino que não se intimida com os reveses da vida. Parabéns família, parabéns especial para a vovó. Bjs


Walkyria

Sónia Alexandra disse...

Adorei seu pensamento...jinhos doces

fátima disse...

kyria,

fico aguardando. bj


sónia,

obrigada,
bj

Rê Gallo disse...

Amei a historinha do Théo! Bjs!

Renata Nogueira disse...

Nossa! Eu sonho em ser avó!
Que lindo!
Beijão

Claudia disse...

Que lindo, Fátima! Chorei aqui lendo isso. Parabéns a ele e a vocês.

beijos